Autismo infantil: conheça as possíveis causas e tratamentos

Causas, síntomas y tratamiento del autismo

Autismo infantil: conheça as possíveis causas e tratamentos

Los Trastornos del Espectro Autista (TEA) también denominados trastornos generalizados del desarrollo, son un conjunto de problemas vinculados al desarrollo del sistema nervisoso y que afectan a la forma en que la persona afectada se comunica y relaciona con otras personas.

Por lo general estos trastornos ocasionan notables limitaciones en la autonomía personal de los afectados y son una importante causa de estrés, ansiedad y malestar en las familias con miembros afectados.

Esta ficha técnica puede ser útil tanto para los padres de niños con un TEA como para los adultos que puedan padecer la enfermedad.

Sin embargo, para simplificar, nos referiremos a su hijo en todas partes.

autismo

Generalmente, los niños que tienen un TEA no desarrollan las habilidades sociales y del lenguaje de la misma forma que lo hacen otros niños de su edad. Como resultado, encuentran dificultades para relacionarse con otras personas. Los niños con un TEA pueden también tener comportamientos inhabituales y problemas de aprendizaje.

Autismo

Los niños con autismo tienen dificultades para comunicarse e interactuar con otros. A menudo se detecta por primera vez alrededor de los dos años.

Algunos niños con autismo pueden sufrir alteraciones del aprendizaje, como dislexia (trastorno que consiste en la dificultad para el desarrollo de habilidades linguisticas, incluyendo la lectura, la ortografía y la escritura). El autismo es más común en niños que en niñas.

Síndrome de Asperger

El Síndrome de Asperger es similar al autismo, pero normalmente es menos severo.

Los niños con Síndrome de Asperger se comunican mejor que aquellos con autismo de espectro más bajo ( y consecuentemente mas grave) y tienen el promedio de inteligencia por encima de la media.

No suelen tener los problemas en el aprendizaje que presentan otros niños con autismo más grave.

Síntomas de los Trastornos del espectro autista

Lo niños con TEA tienen tres síntomas principales que afectan a su comunicación, habilidades sociales e intereses y conocimientos. Estas características pueden variar extensamente entre los afectados.

Comunicación

Los niños con TEA no desarrollan el discurso verbal habitual o las habilidades no verbales que otros niños de la misma edad consiguen. También tienen problemas para la comprensión del significado del lenguaje escrito o hablado.
Los primeros indicios de que su hijo tiene dificultades en la comunicación pueden detectarse:

  • Si con un año de edad no puede parlotear (decir o hacer algunas palabras sin significado y sonidos) o señalar.
  • No responde a su nombre.
  • No ha aprendido ninguna palabra con 18 meses de edad.

El niño puede tomar el significado de las palabras exactamente – es decir, entenderán en sentido muy literal las palabras , y no será capaz de entender bromas o sarcasmos.

Además encontrarán dificultades para leer el lenguaje corporal y las expresiones del rostro
Los niños más mayores pueden mostrar un empleo insólito del lenguaje, y tener dificultades para comenzar conversaciones o darles continuidad.

Los niños con autismo severo no pueden hablar en absoluto, pero se les puede ayudar a comunicarse de otros modos, como por ejemplo a través de signos o utilizando dibujos.

Habilidades sociales

Los niños con TEA tienen dificultades para relacionarse con otras personas, hacer amistades o entrar en contacto con otros niños. Puede resultarles dificultoso o ser incapaces de enfrentarse a nuevas situaciones. Por ejemplo, si su hijo tiene un TEA puede:

  • No buscar gestos de afecto y oponerse a ser abrazado o besado.
  • Preferir gastar el tiempo consigo mismo.
  • No entienden los pensamientos y las emociones de otras personas.
  • Encuentran difícil aceptar reglas sociales simples lo cuál puede causar problemas en la escuela.
  • Encuentran difícil controlar sus emociones, las cuáles pueden expresarlas como arrebatos de cólera o agresión.

Comportamiento e intereses

Los niños con TEA pueden mostrar muy poco o ningún interés en juegos que implican fingimiento o imaginación. En cambio, pueden estar más interesados en comportamientos, actividades o intereses de tipo repetitivo y pueden presentar conductas con rituales muy marcados .
Su hijo puede presentar un interés especial a una edad muy temprana, por el coleccionismo , la música u otros artes.

Otros síntomas

Además de los problemas que afectan a su hijo en la comunicación, las habilidades sociales, sus intereses y comportamiento, tamben pueden mostrar conductas como:

  • Aferrarse a las mismas rutinas continuas , y pueden enfadarse mucho si se les molesta.
  • Mostrar aprensión o especial sensibilidad a ver, oír, oler, tocar y degustar.

Muchos niños con un TEA también pueden presentar otras patologías como son trastorno por déficit de atención con hiperactividad, dispraxia (dificultad para organizar y coordinar pensamientos y movimientos) o epilepsia (un trastorno neurológico que cursa en forma de ataques ).

Causas del Trastornos de Espectro Autista

Las causas exactas del TEA no son conocidas en este momento. Se cree que puede estar causado por una combinación de factores, incluidos los genes que heredamos de nuestros padres. No hay ninguna prueba científica para apoyar la teoría de que existe una posible vinculación entre el autismo y la vacuna contra el sarampión, las paperas y la rubéola.

Diagnóstico de los Trastornos del espectro autista

Si usted nota que su hijo podría estar mostrando signos de TEA, contacte con su médico de cabecera o pediatra. Su médico le preguntará sobre el comportamiento de su hijo o también podrá realizar una entrevista con su hijo conocida como Lista de Comprobación para el Autismo en Niños que no han comenzado el colegio aún.

Si su médico piensa que su hijo puede tener un TEA, existe la posibilidad de ser valorado en un centro de evaluación del desarrollo infantil para identificar cualquier necesidad específica.

Dada la complejidad del proceso es posible que se tenga que visitar y consultar a una gama amplia de profesionales incluyendo pediatra, psiquiatra infantil, logopeda, terapeuta ocupacional, psicólogo incluso expertos en educación, tales como un profesor especializado o un psicópedagogo.

Un instrumento comúnmente utilizado por especialistas para diagnosticar TEA es la Lista de Observación Diagnóstica del Autismo. Se trata de un grupo de pruebas estructuradas que pueden ser adaptadas a categorías de edades diferentes.

Si su hijo es diagnosticado de TEA, será útil y necesario asignarle un profesional sanitario clave para su seguimiento y control, como un pediatra del desarrollo (un pediatra especializado en los trastornos del desarrollo de los niños).

También será de utilidad la ayuda que preste una enfermera especializada o cualquier otro profesional sanitario entrenado y con conocimientos amplios en esta patología y que pueda proporcionar además de información apoyo a toda la familia.

Tratamiento de los Trastornos del espectro autista

No hay un tratamiento curativo para los TEAs, pero los niños que están afectados pueden beneficiarse de diferentes maneras a través del control de sus síntomas. A continuación se comentan algunas intervenciones que han mostrado cierta evidencia científica para justificar su uso.
Terapias de conductuales

Las terapias como el Análisis de comportamiento Aplicado (ACA) pueden ayudar a mejorar las habilidades sociales y comunicativas de su hijo.

Esto implica que su hijo sea visitado por un psicólogo clínico o a un terapeuta experto que utiliza una técnica que implica un comportamiento adecuado y beneficioso.

El psicólogo o terapeuta de su hijo podrán disponer de un modo constante y estructurado de tratar el comportamiento difícil y complejo.

Otras terapias

Se proponen otras terapias para ayudar a su hijo con la comunicación y el aprendizaje. Estas incluyen las siguientes:

  • Un Sistema de Comunicación de Cambio de dibujos, en donde enseñan a su hijo a cambiar una figura por algo que el quiere. Esto ayuda a su hijo a expresarse.
  • Programa “Earlybird”: es una propuesta de tres meses de duración que le ayuda a controlar a su hijo y a predecir comportamientos o conductas inadecuadas en la edad preescolar.
  • Terapia ocupacional que ayuda a su niño a adaptarse a su entorno de vida cotidiano.
  • La terapia Cognitiva conductual puede ayudar a su hijo a enfrentarse a pensamientos y conductas negativas.
  • La terapéutica logofoniatrica pueden ayudar a su niño a comunicarse mejor.

Es importante recordar que algunas terapias pueden funcionar para unos niños, pero no para otros, ya que todos los niños tienen diferentes necesidades varios niveles de habilidades comunicacionales.

Medicinas

Algunas veces, el médico de su hijo podrá recetarle medicinas para reducir algunos síntomas a corto plazo como la agitación, las conductas agresivas o el comportamiento hiperactivo. Sin embargo, estas medicinas pueden tener efectos secundarios. Pida siempre consejo a su médico y lea detenidamente el prospecto que acompaña a la medicina de su hijo.

Ayuda y apoyo

Los profesionales de la salud implicados en el cuidado de su hijo, pueden proporcionarle ayuda y apoyo tanto a usted como a los cuidadores de su niño.

Por ejemplo, los descansos le dan una posibilidad para relajarse , mientras alguien más cuida a su niño.

Existen diversas organizaciones de familiares de pacientes con trastornos del espectro autista que puden serles de ayuda a las familias:

Colegio

Los niños con un TEA a menudo necesitan una educación asistida y con ayudas especiales. Su hijo puede ir a un colegio especial o, si es posible, asistir a una escuela establecida con la ayuda suplementaria.

En general, los niños autistas trabajan mejor si sus actividades de clase están muy estructuradas. Muchos colegios usan el método de Tratamiento y Educación de Autistas y niños inválidos de comunicación el cuál proporciona un ambiente de aprendizaje muy estructurado con más instrucciones visuales.

Los padres pueden trabajar estrechamente con los profesores, usando las mismas técnicas en casa.

En términos más generales las Intervenciones educativas se suelen centrar en desarrollar al máximo las capacidades del niño con TEA, especialmente en las áreas afectadas por el autismo tales como la comunicación, la interacción social con los demás, el juego simbólico, la flexibilidad en la conducta .

Existen actuaciones en las que la implicación de las familias (EarlyBird, Hanen), es fundamental para abordar una mejora en el desarrollo de aspectos tan esenciales como la interacción y la comunicación.

Además se pueden encontrar consejos y ayuda en organizaciones solidarias como la Asociación de Padres de personas con Autismo http://www.apna.es/

CONDICIONES DE USO DEL SERVICIO

La información facilitada por este medio no puede, en modo alguno, sustituir a un servicio de atención médica directa, así como tampoco debe utilizarse con el fin de establecer un diagnóstico, o elegir un tratamiento en casos particulares.

En este servicio no se hará ninguna recomendación, explícita o implícita, sobre fármacos, técnicas, productos, etc… que se citarán únicamente con finalidad informativa.La utilización de este servicio se lleva a cabo bajo la exclusiva responsabilidad de los usuarios.

La información intercambiada en este servicio es confidencial, sin embargo su contenido podrá ser publicado omitiendo toda referencia a datos personales.

Источник: https://www.sanitas.es/sanitas/seguros/es/particulares/biblioteca-de-salud/pediatria-infancia/autismo.html

Mutismo Seletivo: timidez ou patologia?

Autismo infantil: conheça as possíveis causas e tratamentos
Crédito: Getty Images

O Mutismo Seletivo (MS) é um transtorno de ansiedade infantil complexo que caracteriza-se pela dificuldade de um indivíduo se comunicar verbalmente em determinadas situações sociais.

Apesar de parecer com um comportamento de timidez, tal transtorno envolve muito mais do que apenas não se sentir à vontade em falar com pessoas e não representa uma recusa intencional de articular palavras.

Os sintomas e as condições coexistentes podem variar de acordo com a singularidade de cada um, mas tendem a gerar sofrimento ao indivíduo e aqueles à sua volta.

Apesar de poder ser percebido ainda na infância, o Mutismo Seletivo pode se estender pela adolescência e pela vida adulta sem ser de fato diagnosticado. Opções de tratamento existem e podem ser muito efetivos, principalmente quando abrangem acompanhamento profissional multidisciplinar e o apoio da família.

De acordo com o mais recente manual publicado sobre Mutismo Seletivo (Johnson & Wintgens, 2017), a característica essencial para um diagnóstico do transtorno está na variação do comportamento do indivíduo, tendo que em certas situações, a comunicação verbal é rara ou escassa e, em outras, a fala é desinibida e espontânea. Essa oscilação está fortemente vinculada à percepção da presença de determinadas pessoas. Além disso, nenhum caso de Mutismo Seletivo se expressa da mesma maneira que outro.

LEIA MAIS   Autismo: conheça a ABA, que ajuda a desenvolver a comunicação

Mesmo que seja considerado um transtorno de ansiedade e muitas vezes associado a fobia social, o Mutismo Seletivo não implica em ansiedade excessiva em todos os momentos. É por apresentar pequenas peculiaridades que o transtorno se torna distinguível.

Por exemplo, para uma criança com o transtorno, pode ser fácil falar com os pais em um lugar grande, barulhento e impessoal como um shopping, mas impossível em um local onde ela pode ser escutada por outras pessoas, como na sala de aula por exemplo. É possível perceber a criança em uma situação assim por meio de mudanças de expressão facial e corporal.

A comunicação é então quase que inexistente, reduzida a sussurros, frases curtas e gestos. Outro exemplo é o da criança que consegue estar entre amigos se comunicando de forma descontraída, mas que se torna muda quando um adulto se aproxima.

Por se assemelhar a um comportamento de quietude, aqueles que não convivem frequentemente com pessoas com Mutismo Seletivo não tem a mesma facilidade de identificar essas mudanças como os que possuem proximidade, como normalmente é o caso dos familiares.

“Crianças tímidas podem se sentir desconfortáveis ao falar em público, mas crianças com Mutismo Seletivo se sentem horrorizadas” (Johnson & Wintgens, 2017).

Assim, enquanto uma criança tímida pode lentamente ganhar confiança e se sentir à vontade com desconhecidos, outra com o transtorno tem maior dificuldade em fazer o mesmo.

As duas situações podem ser enfrentadas com encorajamento, conhecimento e suporte das pessoas envolvidas, porém o Mutismo Seletivo exige maior cuidado e atenção e tende a ser mais efetivo mediante a orientações de profissionais.

Entender que o transtorno é uma fobia, por exemplo, é o primeiro passo para proporcionar auxílio à criança. Vale ressaltar que crianças tímidas, se submetidas a ridicularização ou pressão para falar antes da hora, também podem desenvolver Mutismo Seletivo.

LEIA MAIS   Dicionário da inclusão: aprenda quais são os termos corretos e ensine seus alunos

Especificidades sobre o Mutismo Seletivo

O Mutismo Seletivo se desenvolve entre 3 e 6 anos de idade, entretanto muitas vezes é diagnosticado apenas a partir dos 5 anos, quando há a inserção da criança no ambiente escolar.

Para o diagnóstico (West, 2017), a dificuldade em falar deve interferir na comunicação em contextos diversos, como o social e o acadêmico pelo período de no mínimo um mês sem que o comprometimento esteja relacionado com falta de conhecimento ou falha no desenvolvimento da fala.

É importante destacar também que o Mutismo Seletivo muitas vezes é confundido com autismo e que não afeta apenas a fala, mas também pode levar a tensões musculares interferindo na capacidade de movimentação do indivíduo. Episódios curtos e/ou isolados de silêncio não satisfazem o critério de diagnóstico.

Especialistas sugerem que a fobia está relacionada a duas condições: a expectativa de falar em algumas situações gera tanto medo que o indivíduo se torna incapaz fisicamente de falar ou se poupa da experiência sentida como intensamente angustiante, evitando a necessidade de falar. Quanto mais a criança vivencia essas circunstâncias, mais a ansiedade se instala.

Mesmo com diversos estudos na área, não há nenhuma causa específica já identificada para o quadro, apenas elementos que podem contribuir para o desenvolvimento de Mutismo Seletivo:

  • Combinação de fatores genéticos e fisiológicos que favorecem a vulnerabilidade do indivíduo a desenvolver transtornos de ansiedade;
  • Eventos que estabelecem uma conexão entre a exigência de falar e o nível de ansiedade experienciado;
  • Reforço do comportamento a partir das reações das pessoas que podem fortalecer o estresse e o medo do indivíduo.

LEIA MAIS   Meditação nas escolas: é sério que dá para fazer?

Tratamento

A percepção do Mutismo Seletivo muitas vezes acontece na escola, quando a criança apresenta os sintomas descritos e pode ser encaminhada para tratamento.

O tratamento costuma ser realizado mediante a compreensão dos elementos que colaboram para o seu desenvolvimento, englobando intervenções psicológicas e farmacológicas.

No contexto da psicologia podem ser realizadas ações psicossociais e psicoeducativas, tais como terapia comportamental, terapia em grupo, terapia de família e programas instrutivos.

Nadine Bonavita é psicóloga clínica com formação em Psicologia pela PUC-SP e mestrado pela Columbia University.

Referências

Child Mind Institute. Selective Mutism

Johnson, M., & Wintgens, A. (2017). The selective mutism resource manual. Routledge.

West, K. (2017). Examining the Literature on Fluoxetine Treatment for Selective Mutism in Children.

Wong, P. (2010). Selective mutism: a review of etiology, comorbidities, and treatment. Psychiatry (Edgmont), 7(3), 23.

Источник: https://novaescola.org.br/conteudo/18059/mutismo-seletivo-conheca-as-causas-sintomas-e-formas-de-tratamento

Autismo: as descobertas recentes que ajudam a derrubar mitos sobre o transtorno

Autismo infantil: conheça as possíveis causas e tratamentos

Professor de Harvard lista avanços no entendimento do Transtorno do Espectro Autista (TEA) –e explica também onde a ciência ainda tem dificuldade em avançar

Passadas décadas de pesquisas sobre o autismo, cientistas ainda não sabem precisar ao certo o que causa o transtorno, nem chegaram a um consenso sobre as melhores formas de tratá-lo —circunstâncias que costumam deixar pais de crianças do espectro autista inseguros e vulneráveis a armadilhas.

Alguns estudos recentes, porém, trazem novas pistas e ajudam a derrubar mitos comumente relacionados ao Transtorno do Espectro Autista (TEA).

A BBC News Brasil conversou com o pesquisador americano Charles Nelson, professor de Pediatria e Neurociência na Universidade Harvard e responsável por um laboratório do Hospital Infantil de Boston que pesquisa desenvolvimento cognitivo de crianças, inclusive as que estão no espectro autista.

Nelson, que esteve em São Paulo em janeiro para participar em um estudo (ainda em curso) sobre desenvolvimento de crianças em abrigos paulistas, investiga o autismo há 12 anos e explica onde a ciência tem avançado no entendimento do TEA —e onde os avanços têm sido lentos.

O autismo não é um transtorno único, mas sim um espectro de transtornos que podem variar em intensidade e em características, a depender de cada indivíduo. Em geral, essas características se manifestam em dificuldades no convívio social, comportamento repetitivo e, em alguns casos, ansiedade e transtorno de deficit de atenção com hiperatividade (TDAH).

Estima-se, globalmente, que 1 a cada 58 crianças esteja no Transtorno do Espectro Autista —designação que, desde 2013, é usada para abrigar todos os problemas relacionados ao autismo.

O mito persistente de a 'vacina tríplice viral causar autismo'

Vacina tríplice viral e «mãe geladeira» são alguns dos mitos relacionados ao autismo

Imagem: Istock

Uma das descobertas recentes de um estudo coescrito por Charles Nelson ajuda a derrubar um mito que persiste desde os anos 1990: o de que a vacina MMR (no Brasil, a tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola) causa autismo.

Esse mito é sustentado por um estudo de 1998, que posteriormente foi desacreditado e seu autor, julgado «inapto» para o exercício da medicina. A despeito disso, muitas pessoas deixaram de aplicar a tríplice viral em seus filhos por medo do autismo.

Nos últimos anos, porém, Nelson e seus colegas começaram a estudar bebês a partir de três meses cujos irmãos mais velhos são do espectro autista (motivo pelo qual esses bebês têm mais risco de também serem do espectro).

E, por meio de eletroencefalogramas, eles perceberam que, a partir dos três meses, já conseguiam identificar padrões no cérebro desses bebês de alto risco, ajudando a prever se eles podem desenvolver características do Transtorno do Espectro Autista um pouco mais tarde.

O fato de esses sinais poderem ser observados a partir de três meses de vida, diz Nelson, indica que o autismo ocorre muito antes dos 12 meses, que é quando as crianças costumam tomar a vacina da tríplice viral (o pesquisador supõe que o transtorno comece a se desenvolver no terceiro trimestre de gestação do feto, quando o cérebro do feto começa a formar neurônios e conexões, embora isso não esteja ainda comprovado).

«O fato de vermos (sinais do autismo) tão cedo significa que as vacinas não têm um papel», explica Nelson à BBC News Brasil.

«Mesmo antes do nosso trabalho, não havia dados que sustentavam [o elo causal entre autismo e vacina]. Mas as pessoas ainda assim não acreditavam», prossegue.

«Quando você tem um filho com autismo e ninguém consegue explicar por que, você sai em busca de causas, e busca causas simples. Os pais frequentemente culpam a si mesmos primeiro; 'foi algo que fiz durante a gravidez'. E as vacinas acabaram sendo algo conveniente a que atribuir a culpa. Mas não havia nenhuma base para isso.»

Estamos mais perto do diagnóstico precoce?

Ausência de clareza sobre causas e tratamentos deixa pais de crianças do espectro autista vulneráveis a armadilhas e curas 'milagrosas'

Imagem: iStock

O trabalho de Nelson pode ajudar, futuramente, no diagnóstico precoce do autismo, mas por enquanto os dados de seu laboratório se restringem a bebês em cujas famílias já foi manifestado o autismo. Agora, ele planeja testar uma amostra mais ampla, de bebês da população em geral.

«Nossos estudos são os maiores do mundo, mas são pequenos, com algumas centenas de crianças. Precisamos de milhares delas e precisamos ter certeza de que [o que está sendo observado no estudo] se trata de autismo, e não de um desenvolvimento atípico do cérebro», explica o médico.

«As implicações para o diagnóstico cedo são profundas, mas ainda não estamos no ponto de usar [o estudo] para o diagnóstico precoce. Ainda levará alguns anos até que cheguemos nisso.»

Por enquanto, diz ele, especialistas experientes conseguem diagnosticar o TEA quando a criança tem por volta dos 2 anos e, em alguns casos específicos, aos 18 meses.

Entre os sinais observados estão, por exemplo, se as crianças não se viram ao escutar seus próprios nomes, se rejeitam o contato visual e se têm desenvolvimento motor atípico.

«E por que isso [o diagnóstico precoce] importa? É que quanto mais cedo se diagnostica, mais cedo se pode intervir. E sabemos que, com a intervenção precoce, as crianças têm resultados muito melhores», relata Nelson.

O mito das 'mães geladeira' e as possíveis causas do autismo

Muitas mães ainda se culpam quando seus filhos recebem o diagnóstico de TEA, acreditando que algo que fizeram durante ou depois da gravidez causou o autismo.

Nada disso se sustenta pela ciência atual, mas tem embasamento em uma antiga crença médica surgida na década de 1940: a da «mãe geladeira», de que mães frias e não suficientemente amorosas provocavam autismo em seus filhos.

«Nunca houve qualquer evidência disso, mas mesmo assim as pessoas falavam a respeito. Culpa-se a mãe por tudo», afirma Nelson.

Então, o que se sabe das possíveis causas do autismo?

Na grande maioria dos casos, não é possível ter certeza absoluta, diz Nelson. Mas, com base nas pesquisas mais recentes, «a maioria de nós [pesquisadores do assunto] acredita que se trate de uma vulnerabilidade genética com um gatilho ambiental. E sabemos que é um distúrbio do desenvolvimento do cérebro que aparece muito cedo. Então a pergunta é: o que faz o cérebro ir nessa direção?»

Essa pergunta permanece, até agora, sem uma resposta definitiva, segundo ele.

O que se acredita é que o fato de muitas crianças no TEA terem comportamentos repetitivos e sensibilidade a estímulos sensoriais (por exemplo, à luz ou a ruídos) se deva à existência de muitas conexões de curto alcance nas áreas visuais do cérebro e, ao mesmo tempo, a poucas conexões de longo alcance —as quais ajudam na percepção social, que é justamente a área em que crianças do espectro costumam ter dificuldades.

«Isso explica a dificuldade de fazer contato visual e de responder a um mundo social», diz Nelson. «Mas não sabemos por que há tão poucas conexões de longo alcance e tantas de pequeno alcance.

E daí voltamos para se [é culpa da] genética ou do ambiente.

O que é frustrante para os pais, porque já foram gastos bilhões de dólares em pesquisas e não estamos mais próximos de descobrir as causas ou um tratamento.»

Ao mesmo tempo, colocar as crianças em situações de negligência aparenta ser um desses gatilhos para o autismo, caso já haja uma propensão prévia a isso.

É o que demonstra outra pesquisa da qual Nelson participa: uma que analisa, há décadas, crianças romenas que viviam em terríveis condições dentro de orfanatos estatais nos anos 1980 e 90, sem interação social produtiva com adultos e em situação de abandono.

Nesse grupo específico de crianças, a incidência de autismo variava, dependendo do estudo, de 5% a 10% —muitíssimo acima da incidência na população global em geral.

«O que tememos é que, a partir disso, as pessoas concluam que 'não ter mãe causa autismo'. E não acho que seja esse o caso», explica Nelson. «Acho que tem a ver com a privação social (e seu impacto em) cérebros negligenciados e com alguma vulnerabilidade.»

Os mitos (e perigos) das terapias alternativas

Ainda não há certeza entre cientistas sobre o que faz o cérebro desenvolver os transtornos do espectro autista

Imagem: iStock

Na ausência de uma causa clara para o autismo e de intervenções que nem sempre dão o resultado desejado, pais de crianças no espectro muitas vezes acabam recorrendo a terapias «alternativas» ? de dietas especiais a curas «milagrosas» vendidas na internet.

O problema é que, além de não terem comprovação científica, algumas delas são extremamente perigosas.

É o caso do chamado MMS, substância divulgada internacionalmente como cura para crianças autistas, se ingerida oralmente. Mas o MMS é, na prática, dióxido de cloro —químico alvejante usado em produtos de limpeza que, de tão corrosivo, só pode ser manipulado por pessoas que estejam vestindo equipamento de proteção.

Desde 2018, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) proíbe sua fabricação e comercialização no Brasil, devido aos riscos que o produto causa ao ser ingerido: de vômito e diarreia até danos à garganta e problemas respiratórios que podem ser fatais.

«[Alegam-se] propriedades terapêuticas para uma substância química que não tem qualquer comprovação de segurança para uso em humanos», diz a Anvisa em comunicado de 2019.

«O dióxido de cloro não tem aprovação como medicamento em nenhum lugar do mundo. Sua ingestão traz riscos imediatos e a longo prazo para os pacientes, principalmente as crianças.»

Até o momento, tampouco há comprovação científica de que outras terapias alternativas que vêm sendo usadas ajudem pacientes com autismo.

Elas incluem dietas específicas (algumas das quais ajudam pessoas com epilepsia a reduzir suas convulsões) sem glúten ou caseína, ou mesmo transplante de células-tronco.

«[Este último] Não só não funciona, como é um procedimento caro e arriscado», afirma Nelson.

Existe uma corrida de indústrias farmacêuticas na busca por medicamentos, mas o médico americano também é cético quanto a isso. «A controvérsia é que, no autismo, o que exatamente você vai tratar com as drogas? É um distúrbio complexo. Medicamentos podem reduzir os sintomas, como deixar [pacientes] menos ansiosos ou mais sociáveis, mas não estão tratando o autismo em si.»

Um medicamento recente usa o hormônio ocitocina em sprays nasais na tentativa de aumentar a sociabilidade de pessoas do espectro autista, com resultados aparentemente positivos. A questão é que não se sabe ainda os efeitos colaterais disso, uma vez que a dose necessária de ocitocina tende a aumentar para fazer efeito.

Os pontos fortes das crianças no TEA

O que se sabe, por enquanto, é que intervenções psicológicas precoces ajudam, em boa parte dos casos, as crianças no TEA a se desenvolverem e a melhorarem suas habilidades sociais, embora ainda persista a dúvida de por que algumas crianças respondem tão bem a intervenções comportamentais (por exemplo, que estimulam a criança a fazer contato visual e a entender nuances da interação social), e outras, nem tanto.

Nelson explica que, em cerca de 10% dos casos nos EUA, crianças que são diagnosticadas em seus primeiros anos de vida —e por isso recebem acompanhamento desde cedo — acabam saindo do espectro autista.

Ao mesmo tempo, diz o médico, «muitas pessoas dizem que focamos demais nos deficits e não tanto nas fortalezas» das pessoas no espectro autista.

Um dos casos recentes que mais chamam a atenção é o da jovem ativista climática sueca Greta Thunberg, diagnosticada com a síndrome de Asperger (que atualmente é parte do espectro autista) e que demonstrou grande habilidade em galvanizar o público em torno de sua causa.

«Os interesses restritos (das pessoas com TEA) podem se tornar seu ponto forte», diz Nelson. «Essas pessoas às vezes têm habilidades excepcionais e memórias incríveis. As que são boas com números podem se tornar matemáticas brilhantes, por exemplo.»

Uma possibilidade, diz ele, é voltar as atenções para intervenções que estimulem esses pontos fortes —algo que ainda não é feito nem estudado em grande escala com crianças do espectro autista.

Источник: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/bbc/2020/02/16/autismo-as-descobertas-recentes-que-ajudam-a-derrubar-mitos-sobre-o-transtorno.htm

Principais tratamentos para autismo (e como cuidar da criança)

Autismo infantil: conheça as possíveis causas e tratamentos

O tratamento do autismo, apesar de não curar esta síndrome, é capaz de melhorar a comunicação, a concentração e diminuir os movimentos repetitivos, melhorando assim a qualidade de vida do próprio autista e também da sua família.

Para um tratamento eficaz, é indicado que seja feito com uma equipe composta por médico, fisioterapeuta, psicoterapeuta, terapeuta ocupacional e fonoaudiólogo, que indicam terapias específicas para cada paciente, e muitas vezes devem ser feitas por toda vida. Além disso, existem novidades sobre cuidados com a alimentação e atividades como musicoterapia, que podem contribuir muito para a melhora dos sintomas.

Assim, algumas estratégias importantes para o tratamento do autismo, seja em casos leves ou graves, incluem:

1. Remédios

Apesar de não existirem remédios específicos para tratar e curar o autismo, o médico poderá indicar medicamentos que podem combater sintomas relacionados ao autismo como agressão, hiperatividade, compulsividade e dificuldade para lidar com a frustração, como por exemplo clozapina, risperidona e aripiprazol.

2. Alimentação

Alguns alimentos tendem a melhorar ou a agravar os sintomas do autismo, por isso é importante estar atento ao que a criança come.

Os alimentos que não devem ser ingeridos incluem o leite e seus derivados porque contém caseína, industrializados e com corantes, devendo-se dar preferência aos alimentos orgânicos, comprados na feira, ricos em antioxidantes e ômega 3. Veja como a alimentação pode melhorar o autismo.

3. Fonoaudiologia

O acompanhamento com o fonoaudiólogo é importante para melhorar a comunicação verbal do autista com o mundo. Durante as sessões são realizados diversos exercícios que podem ajudar a criança a aumentar o seu vocabulário e melhorar a entoação da voz, podendo ser realizados jogos e brincadeiras para atrair a atenção da criança.

4. Musicoterapia

A música ajuda o autista a entender as emoções, aumentando sua interação com o mundo à sua volta.

O objetivo não é aprender a cantar ou tocar nenhum instrumento, sendo somente importante saber ouvir e se expressar através dos sons que os instrumentos podem produzir e também através de movimentos de dança, por exemplo, num ambiente leve e descontraído. Conheça outros benefícios da musicoterapia para autistas.

5. Psicoterapia

A psicoterapia deve ser guiada pelo psicólogo e pode ser realizada sozinho ou em grupo, com encontros semanais. Nela pode ser utilizada a terapia comportamental, por exemplo, que pode ajudar a se vestir sozinho.

6. Psicomotricidade

Pode ser orientada por um fisioterapeuta especialista e durante as sessões podem ser realizados diversos jogos e brincadeiras que podem ajudar a criança a focar sua atenção em apenas uma coisa de cada vez, a amarrar os sapatos, contribuindo para um melhor controle dos movimentos, combatendo os movimentos repetitivos, que são comuns em caso de autismo.

7. Equoterapia

A terapia com cavalos é muito útil para melhorar a reação de endireitamento do corpo, quando a criança está em cima do animal, a coordenação motora, o controle da respiração e desenvolver a autoconfiança do autista. As sessões geralmente duram entre 30 minutos e 1 hora. Saiba mais sobre a equoterapia.

Como cuidar da criança autista em casa

Alguns cuidados importantes que se deve ter em casa, para melhorar a qualidade de vida do autista, são:

  • Observar se o filho possui algum talento especial, porque muitos autistas possuem aptidão para matemática, música, desenho ou informática, por exemplo;
  • Respeitar as rotinas, pois o autista não tolera bem as mudanças;
  • Evitar ter móveis e objetos desnecessários em casa, para protegê-los de acidentes;
  • Desenvolver bons hábitos do sono, respeitando o horário de dormir, com luzes menos intensas e refeições leves antes de ir para cama.

Uma outra dica importante é evitar locais como lanchonetes e supermercados, pois para o autista existem muitos estímulos nestes locais, que o incomodam como luzes muito fortes, auto falantes anunciando as ofertas do dia, alguém tossindo e bebês chorando, por exemplo. Com o passar o tempo, os pais vão percebendo o que o filho tolera ou não e assim que se sentirem seguros poderão levar a criança para estes locais.

O autista pode frequentar a escola como qualquer outra criança, não necessitando do ensino especial, mas isso depende do grau do autismo.

No entanto, nos casos de autismo mais graves a criança pode encontrar mais dificuldade para acompanhar seus colegas de classe, gerando sintomas como ansiedade e irritabilidade, que podem comprometer o aprendizado.

Por isso, alguns pais optam por matricular seus filhos na escola especial ou contratam professores para ensinar a criança em casa.

Os pais do autista devem ter, de tempos em tempos, um dia de descanso para renovar as suas forças porque somente assim poderão oferecer o melhor para os seus filhos.

Источник: https://www.tuasaude.com/tratamento-do-autismo/

Embarazo saludable
Deja una respuesta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: