Auto-estima das crianças, aprenda a viver com os seus filhos

Contents
  1. Vamos falar de autoestima? Desenvolva o seu amor próprio (e o dos seus filhos)
  2. Como trabalhar a autoestima
  3. Como aumentar a autoestima do seu filho?
  4. Dicas para pôr em prática com os seus filhos
  5. 6 estratégias a seguir para se tornar na sua melhor versão
  6. 1. Seja a sua melhor amiga
  7. 2. Não se compare com os outros
  8. 3. Perdoe os seus erros
  9. 4. Cuide do seu corpo, mas não viva obcecada com ele
  10. 5. Seja honesta consigo mesma
  11. 6. Comemore as vitórias e agradeça
  12. 11 estratégias para ensinar autoestima ao seu filho
  13. A autoestima: a arte de amar a si mesmo
  14. Estratégias para que as crianças aprendam a amar a si mesmas
  15. 1- Amem incondicionalmente
  16. 2- Sejam atenciosos
  17. 3- Ensinem limites
  18. 4- Apóiem para que assumam riscos
  19. 5- Deixem que cometam erros
  20. 6- Comemorem os sucessos e os pontos positivos
  21. 7- Escutem o que eles têm a dizer
  22. 8- Ajudem-nos a se sentirem confortáveis com as suas emoções
  23. 9- Não façam comparações
  24. 10- Ensinem respeito e compaixão
  25. 11- Corrijam suas crenças erradas
  26. Como desenvolver a autoestima infantil (Guia prático)
  27. Como a brincadeira pode ajudar nodesenvolvimento da autoestima infantil?
  28. Elogie a criança pelo esforço e não apenaspelo resultado
  29. Dê responsabilidades adequadas de acordo com suas capacidades
  30. Dê oportunidade para as crianças
  31. Ensine a criança a aprender com seus erros
  32. Existem brincadeiras específicas para aumentara autoestima infantil?
  33. Você também pode fazer jogos personalizadospara melhorar a autoestima infantil
  34. Como desenvolver a auto estima infantil: DICA DE OURO
  35. Conclusão 
  36. VIDEO BONUS
  37. Cómo fomentar la autoestima en tus hijos
  38. La necesidad de sentirse seguros
  39. Cómo ayudar a los niños a que expresen su malestar
  40. La importancia del lenguaje positivo
  41. Autoestima nas crianças: como fortalecê-la
  42. A importância da autoestima nas crianças
  43. Dicas para desenvolver a autoestima em crianças
  44. 1. Incentive a responsabilidade
  45. 2. Valorize tudo o que façam bem, apoie-as
  46. 3. Demonstre confiança e amor
  47. 4. Ensine-as a serem assertivas

Vamos falar de autoestima? Desenvolva o seu amor próprio (e o dos seus filhos)

Auto-estima das crianças, aprenda a viver com os seus filhos

Na Clínica da Auto Estima em Lisboa, os “sofás terapêuticos” são cada vez mais procurados por mulheres. Este é um espaço que a sua fundadora – a psicóloga Débora Água-Doce – define como “o único em Portugal onde se cuida e monitoriza a capacidade que cada um tem de gerar amor-próprio”.

A autoestima, “uma relação a dois entre mim e mim própria, constrói-se ainda na infância a partir da relação com os pais, familiares e pares”, refere à Saber Viver.

É nesta altura, nos primeiros anos de vida, que a figura maternal assume um papel de destaque. “Sabemos hoje que a autoestima da mãe, a forma como se comporta, como cuida e trata de si, influencia imenso a autoestima das crianças, sobretudo das meninas”, revela Magda Dias, autora do blogue Mum’s The Boss e do site Parentalidade Positiva.

“É por isso que nós, pais, devemos em primeiro lugar trabalhar a nossa autoestima e em segundo aceitar a natureza da criança”.

Tem trabalhado a sua ou sente falta de autoestima? No final deste artigo, faça o quiz e descubra.

Como trabalhar a autoestima

Porque é que é tão difícil “consertar” o nosso amor-próprio? “Vivemos na era da selfie e da imagem. Existem cada vez mais pessoas a sofrer em silêncio por não sentirem que estão à altura e por não se acharem bonitas o suficiente de acordo com o estereótipo da perfeição que nos é imposto”, conta a fundadora da Clínica da Autoestima.

“Somos constantemente exigidos a desempenhar vários papéis sociais e somos muito exigentes connosco no desempenho dos mesmos. Muitas mulheres dão uma importância excessiva ao aspecto físico ao auto-avaliarem-se”.

“Até aos 40 despendi imensa energia, dinheiro e tempo em dietas e atividades desportivas que odiava porque não me sentia bem comigo própria”, confidencia à Saber Viver Marisa, 47 anos, professora primária.

Fala-se muito em self-care, banhos longos e máscaras hidratantes, mas não se explica às pessoas como ser genuinamente gentis consigo mesmas – Mafalda Gomes, modelo de lingerie plus size

“Sentia que tinha de provar, constantemente, que era muito bem-sucedida profissional e pessoalmente. Era uma pressão enorme que não me deixava desfrutar da vida como eu queria e como tinha imaginado. O ponto de viragem foi o meu divórcio, quando me vi totalmente sozinha.

Senti-me perdida até perceber que tinha de começar do zero, que tinha de levar a sério a relação mais importante da minha vida e que a primeira pessoa de quem tinha de gostar era de mim. Comecei a experimentar coisas novas por minha conta e risco e fui-me conhecendo.

Sinto-me mais segura porque aquilo que sei sobre mim, hoje, não se deve a mais ninguém senão a mim e isso nunca me poderão retirar. Tive de criar a minha própria estabilidade emocional”.

A base da felicidade e do bem-estar, assegura a psicóloga Débora Água-Doce e do bem-estar, “resume-se à capacidade que temos de olhar para nós com amor. Quando isso falha, tudo falha. Nada é suficiente para que nos sintamos felizes”.

E se queremos de facto ser felizes, só podemos começar de uma forma: sendo verdadeiramente honestas com aquilo que nos motiva. “Tento ser o mais autêntica e verdadeira possível no conteúdo que produzo”, partilha Mafalda Gomes, modelo de lingerie plus size com mais de 40 mil seguidores no Instagram.

“Não quero que me interpretem como uma impostora. Quando não estou bem, não estou bem e pronto.

Aconselho verdadeiramente a curadoria das redes sociais, deixem de seguir páginas que vos façam sentir mal com vocês mesmas. Não é suposto sermos torturadas cada vez que mexemos no telemóvel.

Unfollow! Fala-se muito em self-care, banhos longos e máscaras hidratantes, mas não se explica às pessoas como ser genuinamente gentis consigo mesmas”.

Como aumentar a autoestima do seu filho?

Para Ana Rodrigues, mãe da Francisca de 5 anos,  bom exemplo é a melhor forma de transmitir crenças saudáveis.

“Se eu cuidar de mim, sei que ela me terá como uma referência. Vejo-a a imitar-me quando ponho cremes ou quando me maquilho, mas a independência e a responsabilidade são as duas competências que mais trabalho nela.

Promovo novos desafios regularmente e encorajo-a a experimentar o que ela quer, dando-lhe margem para cometer erros e aprender a lidar com a própria frustração. Quero que cresça consciente do valor que tem e do dos outros também”, refere.

Dicas para pôr em prática com os seus filhos

Para se certificar que os seus filhos crescem num ambiente propício ao desenvolvimento do seu amor-próprio e da autoestima, ponha em prática estas dicas:

Reserve momentos exclusivos para estar com os seus filhos;
Corrija os erros utilizando por base o afecto;
 Promova a autonomia e atribua responsabilidades;
 Evite comparações e rótulos
 Estabeleça limites de acordo com a idade;
 Valorize o esforço e não os resultados.

6 estratégias a seguir para se tornar na sua melhor versão

Tenha esta lista sempre à mão para trabalhar a sua autoestima. Pode descarregá-la nesta versão printable e guardá-la num sítio visível: no telemóvel, computador, secretária do escritório ou na porta do guarda-roupa, para começar o dia cheia de self love.

1. Seja a sua melhor amiga

Elimine todos os sentimentos de culpa que sente em relação à forma como está a viver a sua vida. Evite criticar-se por não estar a fazer algo que deveria fazer ou por aquilo que fez e não devia ter feito. Restrinja-se ao presente.

2. Não se compare com os outros

Fuja da competitividade. Se for por aí, pode cair no erro de acreditar que o seu sucesso pessoal e profissional só será atingido quando superar o das outras pessoas. Aceite as suas características individuais únicas e utilize-as para o melhor.

Transforme aquilo que a distingue numa vantagem pessoal e certifique-se de que sabe identificar quais são as suas melhores qualidades.

3. Perdoe os seus erros

Não generalize as suas experiências nem amplifique as emoções negativas. Ao invés de ficar presa a um momento menos bom da sua vida, seja mais gentil consigo mesma e arrisque novamente.

Não se acomode, só conseguirá evoluir saindo da zona conforto onde entrou.

4. Cuide do seu corpo, mas não viva obcecada com ele

Preocupe-se em praticar atitudes benéficas que respeitem a sua saúde física e mental, mas sem sucumbir à ditadura dos padrões estéticos perfeitos. Você só será bonita aos olhos dos outros quando se sentir realmente bonita de dentro para fora.

5. Seja honesta consigo mesma

Mentir para nós próprios é um caminho sem volta. Admita as suas dificuldades e alimente os seus pontos fortes. Coloque-se em primeiro lugar, sem se transformar numa ditadora narcisista.

Ouça-se interiormente e encontre formas terapêuticas de organizar as suas emoções. Escreva um diário ocasionalmente e aproveite os momentos de pausa para reflectir sobre os seus próprios comportamentos e como se sente em relação a eles.

6. Comemore as vitórias e agradeça

Comemore os objectivos alcançados com otimismo e alegria, rodeando-se de pessoas que a respeitam e que fiquem contentes por si. Fuja dos relacionamentos abusivos e destrutivos e respeite-se em primeiro lugar.  Você não está cá só para sofrer!

Como está o seu nível de autoestima? Faça o quiz e descubra por si mesma. Leia ainda como é que cinco dias dedicados ao autocuidado influenciam o nosso bem-estar.

empowering women mente e emoções

Источник: https://www.saberviver.pt/bem-estar/vamos-falar-de-autoestima/

11 estratégias para ensinar autoestima ao seu filho

Auto-estima das crianças, aprenda a viver com os seus filhos

Quando as crianças se sentem bem consigo mesmas, estão dispostas a correr mais riscos, tanto na vida escolar quanto socialmente. Isso lhes permite ser mais livres, ter mais amigos e se amar mais.

Os pais precisam compreender que são peças fundamentais na construção da autoestima infantil.

Cultivar a autoestima de uma criança é uma responsabilidade considerável. A autoestima estabelece as bases para o seu futuro, na medida em que o incentiva experimentar e conhecer coisas novas.

“Um homem só conhece a sua força quando se encontra com um obstáculo”.

-Antoine de Saint Exupéry-

A autoestima: a arte de amar a si mesmo

Segundo a terapeuta familiar Jane Nelsen, autoestima significa ter um sentido de pertencimento e acreditar que somos capazes.

“Como qualquer pai sabe, a autoestima é uma experiência fugaz”, disse Nelsen.

“Às vezes, nos sentimos bem a respeito de nós mesmos, outras não. O que estamos realmente tentando ensinar aos nossos filhos são habilidades para enfrentar a vida, como a capacidade de resiliência.

“O seu objetivo como pai é desenvolver no seu filho o orgulho e o respeito por si mesmo, assim como a fé e a capacidade de enfrentar os desafios da vida.”

Estratégias para que as crianças aprendam a amar a si mesmas

Ajudar a aumentar a autoestima do seu filho é uma tarefa diária. A criança aprende pelo exemplo, então para ensinar seu filho a se amar, você precisa ter uma autoestima elevada.

“Educar uma criança não é ensinar-lhe o que ela não sabia, mas fazer dela alguém que não existia”.

-John Ruskin-

1- Amem incondicionalmente

A autoestima de uma criança floresce quando seus pais a amam verdadeiramente.

A criança precisa perceber que os seus pais a amam incondicionalmente; a aceitam como ela realmente é, independentemente das suas qualidades, defeitos, dificuldades, temperamento ou habilidades.

2- Sejam atenciosos

Tire um tempo para dar ao seu filho toda atenção que ele precisa. Agindo dessa forma estará mandando uma mensagem para a sua autoestima: ele é muito valioso e importante para você.

Mas não é uma questão de quantidade e sim de qualidade. Pare um momento o que está fazendo para atender seu filho: pergunte com interesse pelas suas coisas, converse com ele e responda às suas perguntas.

3- Ensinem limites

É muito importante para a autoestima do seu filho a definição de regras razoáveis e consistentes. Se uma regra for quebrada existem consequências.

As crianças se sentem mais seguras quando existem regras, quando as conhecem e entendem. Isto as ajuda a viver de acordo com as expectativas; sabem o que podem e o que não devem fazer.

O importante é que não existam muitas regras, mas que sejam coerentes e tenham uma finalidade.

4- Apóiem para que assumam riscos

Incentive seu filho a experimentar coisas novas, como comer um alimento diferente, fazer novos amigos ou praticar esportes.

Dê preferência a atividades que promovam a cooperação ao invés de competição.

É claro que sempre existe a possibilidade de fracasso, mas sem correr riscos, há poucas chances de sucesso. Fique ao seu lado, ajude-o a se levantar e entender que aprendemos com os erros e que na próxima vez faremos melhor.

5- Deixem que cometam erros

Assumir riscos implica a possibilidade de cometer erros. Os erros nos fazem pensar, buscar soluções e enfrentar o desafio de melhorar a nós mesmos. Essas são lições valiosas para a construção da autoestima do seu filho.

Deixe que ele tome as suas próprias decisões. Se no início não se sair bem, tentará de novo até conseguir e isso o fará sentir-se bem consigo mesmo. Essa satisfação será um ponto de apoio para a próxima vez que enfrentar um desafio.

6- Comemorem os sucessos e os pontos positivos

Todo mundo responde bem aos estímulos positivos. Reconheça as coisas boas que seu filho faz todos os dias e o elogie.

Seja específico; isto aumentará a sua sensação de sucesso, realização e autoestima.

7- Escutem o que eles têm a dizer

Se o seu filho precisa falar com você, pare e ouça o que ele tem a dizer. Ele precisa saber que seus pensamentos, sentimentos, desejos e opiniões são importantes.

8- Ajudem-nos a se sentirem confortáveis com as suas emoções

Ajude seu filho entender o que acontece com ele, como lidar com as suas emoções e sentir-se bem com ele mesmo. Para ele é muito importante rotular as emoções.

Aceite seus sentimentos e emoções sem julgamentos e demonstre que você valoriza o que ele tem a dizer.

9- Não façam comparações

Lembre-se de que o seu filho enfrenta muitas coisas, incluindo a vergonha, a inveja e a competição.

Mesmo as comparações positivas são prejudiciais porque ele pode se sentir pressionado.

Deixe seu filho perceber que você o ama como ele é; isto o ajudará a perceber o seu próprio valor.

10- Ensinem respeito e compaixão

As crianças que aprendem a respeitar as coisas, as pessoas, e a ter compaixão por elas, aprendem a se valorizar.

O respeito e a compaixão estimulam a solidariedade e a formação dos valores.

11- Corrijam suas crenças erradas

É importante que você identifique as crenças irracionais que o seu filho possa ter sobre si mesmo. Essas crenças podem ter relação com a sua aparência, suas habilidades e capacidades.

Ajude-o a enfrentar as frustrações  e reforce a sua perseverança. Ensine-o a ser mais realista e estabelecer critérios claros e objetivos.

Источник: https://amenteemaravilhosa.com.br/11-estrategias-ensinar-autoestima-ao-filho/

Como desenvolver a autoestima infantil (Guia prático)

Auto-estima das crianças, aprenda a viver com os seus filhos

Ter um bom desenvolvimento da autoestima infantil é essencial para que as crianças se sintam mais felizes, seguras e realizadas. Mas, para começar, precisamos entender o que é a autoestima? Basicamente, é um conjunto de sentimentos e crenças que temos sobre nós mesmos.  

Não podemos confundir autoestima com confiança. Para entender melhor a diferença, um exemplo cai muito bem: uma criança pode ser muito confiante na sua capacidade de escalar uma árvore, pois já o fez diversas vezes. Porém, tem uma autoestima baixa, pois não acredita que tenha valor.  

A forma como uma pessoa se define causa influência nos seus comportamentos, motivações e atitudes. Alem disso, ainda pode afetar o nosso equilíbrio emocional. É por isso que desenvolver a autoestima de uma pessoa é importante desde cedo.

Vale ressaltar que existe várias formas de você trabalhar a autoestima de uma criança. Porém, uma das melhores e mais saudáveis é por meio das brincadeiras, visto que para a criança TUDO vira brincadeira. Então, por que não unir o útil ao agradável?

como desenvolver a autoestima infantil

Com a autoestima elevada, as crianças conseguem enfrentar os desafios pelo caminho da vida com muito mais vigor. Além disso, o amadurecimento ocorre de forma mais natural, com maior capacidade de superar obstáculos e enfrentar traumas. Foi por isso que preparamos este artigo. Abaixo você vai entender como desenvolver a autoestima do seu filho ou aluno. Boa leitura!

Como a brincadeira pode ajudar nodesenvolvimento da autoestima infantil?

Quando as crianças estão brincando, várias atividades são realizadas de forma simultânea. A criança pode classificar, calcular, testar, decidir, analisar, nomear… tudo isso em uma única brincadeira.

E elas não fazem isso apenas quando estão brincando sozinhas. Elas fazem isso quando estão brincando com outras crianças ou adultos. E esse é o momento ideal para se trabalhar a autoestima da criança.

O adulto que está cuidando da criança, podendo ser o pai, a mãe ou o cuidador, deve interagir de forma a desenvolver a autoestima. Vale ressaltar que essa interação deve acontecer de forma positiva, como veremos a seguir.

Veja aqui artigo completo com dicas de brincadeiras para fazer em família

Elogie a criança pelo esforço e não apenaspelo resultado

O resultado é importante, mas não é tudo. Mesmo que o resultado não seja positivo é importante que você elogie a criança. Mostre para ela que o seu esforço valeu a pena e que está orgulhoso por ela ter tentado. Esse é um dos pressupostos da educação positiva.

criança aprendendo

Você sabia? Pessoas elogiadas pela sua INTELIGENCIA tendem a escolher tarefas mais fáceis, enquanto pessoas elogiadas por seus ESFORÇOS tendem a escolher tarefas mais desafiadoras!

Recomendamos esse artigo para quem quer dicas excelentes de como elogiar melhor!

Exemplos de elogio focados no esforço:

Como você e persistente, foi até o final!

Nossa, você não desiste até conseguir, não e mesmo?

Não conseguiu? Você deu seu máximo, e isso que importa, vamos tentar de novo? Vou te dar umas dicas!

Veja o infográfico abaixo divulgado neste artigo incrível divulgado pela Awebic. No infográfico fica bem visível a diferença entre recompensar o resultado e o esforço. Elogiando o resultado, desenvolvemos um individuo de mentalidade fica, enquanto que elogiando o esforço desenvolvemos um individuo com mentalidade de crescimento!

Como desenvolver a autoestima infantil: elogios

Viu como é fácil? Agora pratique isso com seus filhos e veja a diferença! E não desista do exercício, afinal, nós sabemos como você e muito esforçado(a), não é mesmo?!  

Dê responsabilidades adequadas de acordo com suas capacidades

Muitas crianças tem uma baixa autoestima porque não se sentem capazes de realizar as tarefas que lhes foram designadas. É importante que a atividade seja passada de acordo com a sua capacidade.

Imagine como você se sentiria se no primeiro semestre da faculdade o professor lhe passasse a seguinte atividade: escrever o TCC. Você ia olhar aquilo e pensar: eu sou muito burro, se eles estão me passando isso e porque os outros conseguem fazer e eu não sei nem sobre o que essa faculdade ensina! A gente não quer que nossas crianças pensem isso de si mesmas, não é?

Depois da brincadeira, por exemplo, se a criança já entende o que você fala com mais clareza, você pode sugerir que ela guarde os brinquedos. Com o tempo, também, você pode pedir ajuda para realização de afazeres domésticos, como lavar a louca ou limpar a parede que ela pensou que precisasse de uma pintura,

Então lembre-se, a criança precisa gradualmente assumir um senso de responsabilidade. Isso não quer dizer que precisamos tratar ela como nossos colegas de trabalho quando delegamos tarefas. A criança não precisa achar que é chato arrumar o quarto, guardar os brinquedos, trocar o pneu do carro, dar comida para o cachorro, etc.

Muitas vezes essas tarefas nem são chatas, somos nós mesmos que achamos que elas são chatas e passamos isso para as crianças. Quem nunca viu aquela conhecida mandando o filho limpar o quarto como forma de castigo?

A criança precisa receber tarefas que ela seja capaz de realizar e que, de preferência, se divirta no processo. Afinal, como é bom aprender! 

Para facilitar, veja abaixo uma lista de tarefas de casa adequadas para cada idade divulgada pelo blog Vida Inovadora, neste artigo:

Como desenvolver a autoestima infantil: responsabilidade

Dê oportunidade para as crianças

Permita que elas se sintam parte do grupo. Ela também pode tomar decisões e resolver os problemas. Isso fará com que ela se sinta acolhida por todos, melhorando assim a autoestima infantil.

Temos a mania de excluir as crianças das tomadas de decisão da família. Afinal de contas, são somente crianças.

As crianças tem desejos e vontades, assim como eu e você. Muitas vezes esses desejos não vão estar de total acordo com os seus, e são nesses momentos que você precisa ter paciência para escuta-las e, algumas vezes, abrir mão das SUAS PRÓPRIAS vontades!

Cada pessoa tem suas individualidades e precisamos aprender a coexistir. Lembre-se de apresentar as crianças quando chegar em um grupo novo, lembre-se de perguntar a opinião delas sobre os assuntos discutidos e LEMBRE-SE DE SE PERMITIR APRENDER, pois muitas vezes os nossos pequenos tem muito a nos ensinar!

Ensine a criança a aprender com seus erros

Muitos pais “passam a mão na cabeça dos filhos” ou são muito duros quando a criança erra. Isso não é necessário, pelo contrário, isso e contraproducente. Você pode ensinar a criança a aprender com os seus erros de forma positiva. Converse, explique a situação e eduque.

Sem ser “manso” demais, mas também sem gritar e humilhar a criança. É necessário ter um equilíbrio. Além disso, caso a criança faça algo errado, não critique a sua pessoa, critique o seu comportamento.

Alguns especialistas comportamentais utilizam estes mesmo ensinamentos nas suas empresas, para lidar com os colaboradores. Não é incrível como a mesma postura que temos com os adultos, são as que, muitas vezes, precisamos apresentar para com as crianças?

Veja alguns exemplos de criticas construtivas

Você deixou cair o copo e quebrou. Você percebeu que não estava prestando atenção? Se prestar mais atenção na próxima vez você vai ver que o copo não cai

Você tropeçou porque estava com o cadarço desamarrado. Na próxima vez tente conferir o cadarço antes de sair de casa

Essa tirinha do blog Incrível ilustra bem como educar a criança a partir do seu erro

como desenvolver a autoestima infantil através dos erros

E o mais importante: tenha paciência. Lembre-se que você também erra muito, e muitas vezes comete o mesmo erro mais de uma vez! Isso acontece por um motivo simples: SOMOS SERES HUMANOS! E por incrível que pareça as crianças também são!

Existem brincadeiras específicas para aumentara autoestima infantil?

Sim! Um bom exemplo é ensinar e ajudar acriança a desenvolver um projeto. Todo o processo de desenvolvimento doprocesso deve ser realizado com as dicas que passamos para você anteriormente.

Mas, qual o projeto ideal? Bem, isso vai depender das características da criança e do que ela gosta de brincar. Por exemplo, seu pequeno gosta de trabalhos manuais? Que tal sugerir que ele mesmo produza um presente para alguém?

Qual o tio ou tia que não gostaria de ter um marcador de páginas totalmente personalizado feito pelo seu sobrinho? A criança vai se desenvolver pessoalmente, pois vai aprender uma nova capacidade e, consequentemente, desenvolver sua autoestima!

Alem do mais, ela ganhará elogios das pessoas que receberam o presente, seu e de outras pessoas também. Ela vai se sentir querida, útil e vai se sentir satisfeita pelo resultado final. Mas lembre-se da dica anterior: foque no processo de criação do presente também quando for elogiar: Uau, como você foi criativo. E a autoestima da criança? Cada vez mais alta!

Porém, se o seu pequeno não curte esse tipo de projeto, não tem problema. Você pode fazer, por exemplo, uma receita junto com ela para toda a família. Que tal PÃO DE QUEIJO? É saboroso e fácil de fazer. Quem sabe você não tem um Master Chef dentro de casa e não sabe?

A Creche Dona Morfina Grandi Paccola desenvolveu um projeto junto a pais e filhos cultivar um jardim! Que iniciativa!

como desenvolver a autoestima infantil: projeto com plantas

Lembre-se de como você se sente quando conclui um projeto. Um sentimento maravilhoso! Imagine como seu pequeno vai se sentir! Me dá até arrepios!

Os jogos de forma geral também são umaexcelente forma de desenvolver a autoestima infantil. E não precisa sernenhum jogo muito elaborado, até mesmo o conhecido Jogo da Velha pode ajudar.

O jogo dará para a criança oportunidades de acertar e errar. Quando ela acertar, parabenize. Quando ela errar, mostre que não é apenas o resultado que importa, mas o esforço também.

Você também pode fazer jogos personalizadospara melhorar a autoestima infantil

Uma outra forma ainda mais eficiente demelhorar a autoestima infantil é com os jogos personalizados. Umexemplo? Que tal fazer um jogo de perguntas e respostas? Nele você coloca váriasperguntas para a criança responder sobre si mesma. Como:

  • Eu sou muito bom porque…?
  • Eu me amo porque…?
  • Eu me acho capaz porque…?

São perguntas nesse estilo. Essa atividade permitirá que a criança reforce a sua autoestima, desenvolvendo ainda mais o pequeno.

Veja alguns outros artigos publicados nos últimos dias no nosso blog

Como desenvolver a auto estima infantil: DICA DE OURO

Aproveitando a leva do jogo personalizado, vamos para a DICA DE OURO! Essa dica você pode fazer você mesmo e eu recomendo!

Estudos indicam que a pratica da gratidão diminui ansiedade e depressão. Muitas vezes com mais eficacia que o uso de medicamentos!

Combine com sua família que antes de dormir, todos escrevam 3 coisas pelas quais vocês são gratos. Esse jogo pode ser praticado diariamente, toda segunda, 1 semana inteira por mês, ou como vocês combinarem. O importante e não repetirem as coisas que são gratos em nenhum dia!

Esse exercício parece fácil e bobo. E sim, é bobo, mas não é fácil. Depois de 2,3, 7 dias, você começa a ter que se esforçar mais e mais para achar coisas pelas quais sentir gratidão. E esse é o segredo.

Você começa a sentir gratidão por coisas que antes você tinha como garantidas, como chuva, comida, carro, vizinho, etc! Esse exercício leva sua autoestima as alturas! Imagina a autoestima de seus pequenos que desde cedo vão aprender a amar viver!

Veja o infográfico abaixo, criado e divulgado pelo blog canal da felicidade com 13 benefícios da gratidão! Imagine com o tempo o que esse exercício fara com a autoestima de seu filho!

Como desenvolver a autoestima infantil: Gratidão

Conclusão 

Mamãe, papai e educadores! Lembrem que as crianças estão se desenvolvendo. E no início do seu desenvolvimento você e 100% responsável pela sua autoestima infantil.

Você reparou que muitas vezes eu mencionei que você precisa ter paciência e persistência? Para o bem de seus filhos e educandos você precisa cuidar de você mesmo(a) também! E desenvolvendo a sua autoestima, os pequenos tem a quem modelar e assim e mais fácil para eles!

Se você perder a paciência uma vez ou outra, não se culpe. Tente de novo. Nós sabemos que você é dedicado(a)!

Espero que você tenha entendido como desenvolver a autoestima infantil e assim ajudar as nossas crianças a serem cada vez mais felizes. Agora é com você.

Comente aqui abaixo quais das técnicas e atividades você mais gostou e qual você vai começar a aplicar para desenvolver a autoestima do seu filho!

VIDEO BONUS

Esse vídeo abaixo da Isabela Minatel traz muitas outras dicas legais e vai abrir a sua mente quanto a criação de nossas crianças!

autoestima infantil | como desenvolver a autoestima infantil

Источник: https://rcreborn.com.br/autoestima-infantil/

Cómo fomentar la autoestima en tus hijos

Auto-estima das crianças, aprenda a viver com os seus filhos

Ayudar a los niños a que construyan una fuerte autoestima es una de las tareas más importantes que tienen los padres. Enseñarles cómo valorarse, respetarse y tratarse con cariño es clave desde los primeros años de su vida. Ahora bien, ¿cómo hacerlo?

Los padres son las personas más importantes para sus hijos.

Son quienes ejercen la mayor influencia en la compleja pero bonita tarea de conocerse a sí mismos, el sostén desde el que descubrir el mundo y al que recurrir cuando se sienten perdidos.

Quienes les proporcionan el espejo para comenzar a reconocerse. Por ello, es tan importante que comiencen a cultivar en ellos la aceptación. 

Los padres suelen ser la fuente de confort y seguridad para los niños.

La necesidad de sentirse seguros

A menudo, los niños buscan la aprobación de sus padres para sentirse queridos y aceptados. Necesitan saber que están de acuerdo con ellos, que les dan permiso para sentirse seguros de sí mismos.

La cuestión es enseñarles a regular esa necesidad para que poco a poco vayan siendo más autónomos e independientes.

El problema es cuando esta se vuelve demasiado intensa y perdura con el paso de los años, ya que se puede crear una especie de dependencia hacia la aprobación de los demás para actuar.

Así, cuando los padres aceptan a sus hijos tal y como son, los valoran y aprecian, les proporcionan un escudo psicológico que les protegerá de por vida. Pero lamentablemente, no siempre es así. No todos los padres son capaces de cubrir las necesidades emocionales de su hijos. No obstante, siempre puede aprenderse el maravilloso arte de la aceptación, aun en la adultez.

Por otro lado, hay que tener en cuenta que los niños aprenden de sus padres, de los comportamientos que manifiestan, las palabras que dicen y los gestos que representan.

Así, si todo este conjunto de respuestas tienen como hilo conducto al amor, el cariño y la seguridad, los niños interiorizarán que son valorados, queridos y respetados, es decir, que son tenidos en cuenta.

Estas serán sus primeras lecciones de valía y buena autoestima.

Un aspecto a tener claro es que la aceptación no conlleva resignación, es decir, a veces es necesario establecer límites en la educación de los más pequeños. Eso sí, lo importante es que no dejemos de transmitir el mensaje de que son aceptados tal y como son, reconociendo tanto sus valores como dificultades.

Ahora bien, si los niños son tratados desde el desprecio, la agresividad o la indiferencia alimentarán en su interior la desesperanza, el rechazo o el sentimiento de abandono. De esta forma, aprenderán que no son queridos, sino invisibles y su autoestima se verá perjudicada. Por tanto, es importante:

  • Reconocer su potencial en lugar de señalarles constantemente sus errores. Esto no quiere decir que no lo hagamos, pero siempre desde una perspectiva de oportunidad para crecer.
  • Evitar crear expectativas sobre su futuro, forma de ser y comportamientos.
  • Escucharles e interesarse por aquello que quieran compartir con nosotros, al igual que preguntarles y hacerles partícipes.
  • Reconocer y validar sus emociones. Si calificamos como “malos” sus sentimientos o hacemos que los repriman o nieguen, el resultado puede ser una baja autoestima, una conducta insincera y una pérdida de conexión con sus sentimientos. Por lo tanto, hay que valorar todo el abanico de emociones que experimenten, en lugar de valorar solo las positivas.

No obstante, también es importante evitar decirles cómo deben sentirse, así como compararles con sus compañeros, utilizar el sarcasmo, las amenazas y los castigos en repercusión a sus sentimientos, ya que lo único que estaríamos fomentando sería la negación u ocultación de cómo se sienten.

Cómo ayudar a los niños a que expresen su malestar

Fomentar una autoestima sana en los niños significa también enseñarles a expresar su malestar, sus emociones negativas, de manera adecuada, así como las diversas formas en las que pueden afrontarlas.

La autoestima implica conocerse y valorarse y esto no podemos hacerlo si olvidamos cuándo nos encontramos mal o estamos enfadados. Todo cuenta en el universo emocional. Por esta razón, a continuación indicamos una serie de claves que favorecerán la expresión de las emociones en los más pequeños:

  • Proporcionar un clima seguro y de aceptación que invite a los niños a expresar cómo se sienten.
  • Ayudarles en la expresión de su malestar. Por ejemplo, a través de actividades como escribir, dibujar, contar un cuento, interpretar, etc.
  • Contarles una situación similar en la que nos sintamos igual que ellos, para así fomentar la idea de que lo comprendemos.
  • Ser un buen modelo en el afrontamiento de sentimientos intensos.
  • Ayudarles a sentirse bien en situaciones de decepción o derrota.

La importancia del lenguaje positivo

No debemos olvidar uno de los elementos más potentes que tienen los padres para fortalecer la autoestima de sus hijos: el lenguaje. La forma que tenemos de dirigirnos a ellos determina parte del vínculo que construimos. 

En cada una de las interacciones que tenemos con los niños, de algún modo estamos reflejando nuestra identidad. Por ello, resulta tan importante prestar atención a las palabras y el tono de voz que utilizamos cuando nos dirigimos a ellos. Lo fundamental es que utilicemos un lenguaje positivo y sincero que fomente su autoestima.  

Este tipo de lenguaje se compone de una descripción del comportamiento del niño pero libre de juicios, distinguiendo así su valía de su conducta. Además, hay que acompañarlo de cuál es nuestra reacción a lo que el niño ha realizado, es decir, cómo nos sentimos y qué pensamos sobre lo ocurrido. Y por último, señalar de algún modo que reconocemos y validamos cómo se siente.

Como vemos, ser padre implica ser instructor y formador de habilidades para vivir en el mundo. De esta forma, el uso de la disciplina resulta necesario. Ahora bien, esta no puede ser una agresión a la autoestima, sino un medio para crear un entorno seguro que facilite el aprendizaje y la autonomía.

Источник: https://lamenteesmaravillosa.com/como-fomentar-la-autoestima-en-tus-hijos/

Autoestima nas crianças: como fortalecê-la

Auto-estima das crianças, aprenda a viver com os seus filhos

A autoestima é uma das peças fundamentais do nosso quebra-cabeças, o suporte que nos sustenta e sobre o qual construímos o nosso “eu”. Por isso, é importante incentivar a autoestima nas crianças, já que graças a ela é possível crescer com maturidade e segurança.

Agora, às vezes não é tão fácil fazê-lo. Os pais não são especialistas em “tudo”, ainda que sempre reste a opção de aprender algo novo ou, ao menos, de recorrer a algumas técnicas que possam ajudar. Dessa maneira, explicamos as melhores dicas para incentivar o amo próprio em seus filhos.

A importância da autoestima nas crianças

Todo mundo sabe, ninguém vem para este mundo com uma receita perfeita para conseguir fazer com que as crianças sejam felizes e alcancem todas as suas metas. Às vezes é difícil, outras os pequenos dispõem de um caráter que é difícil de controlar ou até mesmo que não sabemos como administrar. Portanto, incentivar a autoestima é um pilar chave em sua educação.

É um caminho para se tornarem mais autônomos, fortes e responsáveis. De fato, é básico que saibam se proteger e se valorizar. Os pais não podem estar com eles a todo instante, por isso que, às vezes, é normal ver crianças sendo atacadas por seus próprios colegas na escola.

O bullying é uma realidade perigosa que pode ser solucionada com o ensino de estratégias para as crianças.

E ainda mais, fazer com que desenvolvam a autoestima desde bem jovens, lhes permitirá chegar à maturidade com mais segurança em si mesmos, para que sejam felizes em suas relações.

Para que ninguém as controle ou as faça infelizes. Vale a pena tentá-lo. Explicaremos como.

Leia também: 9 regras para educar filhos fortes

Dicas para desenvolver a autoestima em crianças

A confiança em si mesmo trará para a criança um crescimento maduro e responsável.

1. Incentive a responsabilidade

Lembre-se que a educação de uma criança começa desde que ela nasce.

 Portanto, estabelecer rotinas e hábitos como hora para comer, dormir, descansar ou tomar banho à medida que crescem, junto com a determinação de uma série de responsabilidades como guardar os brinquedos, arrumar a cama ou recolher a mesa, os ajudará a se sentirem úteis, viver com certa ordem e aprender a se valorizar.

Ter responsabilidades fará com que elas entendam que a vida também tem obrigações. Dessa forma, se as cumprirem e as fizerem bem, se sentirão orgulhosas porque se sentirão capazes e úteis.

Assim, se são capazes de realizar de forma adequada seus deveres, arrumar seu quarto, organizar sua roupa ou cuidar da mascote, o sentimento de valor que experimentam aumentará, assim como sua autoestima.

2. Valorize tudo o que façam bem, apoie-as

Existem pais que cometem o erro de não reconhecer aquilo que seus filhos fazem certo, enquanto se dedicam unicamente a indicar os erros e falhas.

 Contudo, esta prática não é a mais recomendada para incentivar a autoestima nas crianças, já que, cedo ou tarde, acabarão por não se importarem mais, não se esforçarem e o pior de tudo, afetará de forma negativa a percepção que tem de si mesmos.

Por isso, se fazem algo certo, o ideal é reforçá-lo com frases como “que legal o que fez, eu sabia que era capaz de fazê-lo“, “maravilhoso, mamãe sempre confia em você porque é o melhor“, “parabéns! Estou muito orgulhosa”. No caso de fizerem algo de errado, o ideal é não os repreender nem os reprovar com expressões como “sempre acontece isso, nunca será capaz de fazer algo direito“.

Tampouco se deve cometer o erro de compará-los com outras crianças ou irmãos. O que se deve fazer é simplesmente indicar o que fizeram de errado e como podem fazer melhor. Em suma, mostrar confiança, animá-los. “Sei que reprovou nestas matérias, mas estou certa de que se você se esforçar conseguirá na próxima vez”. “Não se preocupe, esforce-se mais e conseguirá”. 

Um dado curioso e que está relacionado com a influência das comparações entre as crianças foi obtido a partir de uma pesquisa conduzida pela Universidade de Indiana. Seus resultados confirmaram que uma longa exposição à televisão pode ter um papel significativo nas crianças, fazendo com que sintam pior, por não poderem evitar se comparar com o que assistem na tela.

Leia também: As crianças devem aprender a dizer “por favor” e “obrigado”

3. Demonstre confiança e amor

Quando o amor e a confiança são demonstrados, as crianças crescem com uma maior segurança em si mesmos.

O amor e a confiança constante são alimentos indispensáveis para aumentar a autoestima nas crianças. A psicóloga Ana Torre afirma que “se nós as valorizarmos, elas também o farão. Somos como espelhos para elas, a imagem que refletimos será a que terão de si mesmas”.

Dessa maneira, devem se sentir queridas, valorizadas, integradas e reconhecidas. Por isso, é muito importante mostrar que gostamos delas e que são pessoas muito especiais, que confiamos nelas e que nosso amor é incondicional. Tudo isso trará segurança emocional e aumentará a autoestima.

4. Ensine-as a serem assertivas

A assertividade se baseia em saber se defender. Em falar em voz alta e em primeira pessoa sobre o que deseja e o que quer, evitando que o resto das pessoas nos manipule. Por isso, aprender a dizer não é essencial para que as crianças não se sintam subjugadas ou dominadas. 

Além disso, dê uma educação democrática na qual existam normas, mas que elas as entendam. Não as submeta nem aja como um pai autoritário, nesse sentido, argumente com elas e estabeleça sempre uma comunicação aberta em que exista confiança.

Se proibir tudo, sempre acabarão te evitando. Se argumenta com elas, sempre falarão contigo.

 Ser assertivo e saber defender seu direito e sua voz, ajudará as crianças a reforçar sua autoestima, a se tornarem fortes e capazes na escola e também na vida.

Por fim, lembre-se que a verdadeira educação é feita em casa e que nós, os pais e educadores devemos dar o exemplo. Educar crianças felizes requer esforço, mas se transmitirmos confiança, amor, diálogo e as ensinarmos onde estão os limites, crescerão com maturidade. Vale a pena.

Pode interessar a você…

Источник: https://melhorcomsaude.com.br/dicas-para-fortalecer-a-autoestima-nas-criancas/

Embarazo saludable
Deja una respuesta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: