Porque é que o meu recém-nascido baba muita saliva?

Por que os bebês babam tanto?

Porque é que o meu recém-nascido baba muita saliva?

Muitas mães se perguntam por que os bebês babam tanto. A verdade é que não há com o que se preocupar. Isso começa a acontecer por volta dos dois meses de idade e é completamente normal. Os babadores não foram inventados à toa.

Às vezes, pode causar alguma preocupação que a criança molhe as mãos, ombros, lençóis e quase tudo à sua volta com saliva. É comum vê-la com saliva caindo da boca e até fazendo bolhas com ela.

Entretanto, não há razão para quebrar a cabeça pensando em por que os bebês babam tanto. Existem causas inteiramente naturais que explicam esse fato. O importante é mantê-los bem protegidos com um babador, especialmente em dias frios.

Por que os bebês babam?

A baba nos bebês costuma ser completamente normal. Pode obedecer às próprias etapas do desenvolvimento, como aprender a engolir, ou pode ocorrer devido à dentição.

Logo após o nascimento, os bebês não babam tanto.

Isso ocorre porque, inicialmente, seu corpo não produz muita saliva. Com o passar do tempo, entretanto, essa produção aumenta. Mais ou menos em torno de dez semanas de vida, eles já estão babando o tempo todo.

O ponto é que, para impedir que a saliva saia da boca, é necessário controle sobre os lábios e a língua, coisa que, nos primeiros meses de vida, os bebês ainda não têm. Outra pergunta frequente é: por que os bebês não controlam a saliva, mas o leite não sai da boca quando se alimentam?

O motivo é muito simples. Os bebês usam os músculos da boca para se alimentar com um movimento de sucção. Ele é seguido pela deglutição, automaticamente. Entretanto, a saliva é produzida na boca sem que eles percebam, e permanece lá até transbordar.

Descubra: Primeira visita da criança ao dentista

Os bebês produzem mais saliva do que os adultos e a expulsam da boca porque não aprenderam a engolir. Um adulto engole saliva a cada quatro a seis minutos quando acordado e a cada sete a oito minutos quando dorme. O bebê faz isso com muito menos frequência, e é por isso que baba mais.

Há outras razões pelas quais os bebês babam. Uma delas é a dentição. A partir do terceiro mês de vida, os movimentos começam nas gengivas para promover o surgimento dos primeiros dentes. Isso causa irritação e desconforto. A saliva, neste caso, atua como um lubrificante.

A saliva contém enzimas que previnem infecções durante o processo de dentição. Assim, os bebês babam mais toda vez que um dente sai. Da mesma forma, quando a criança começa a receber alimentação complementar, as papilas gustativas secretam mais saliva.

Nesse caso, a saliva cumpre a função de contribuir para decompor e misturar os alimentos, pois o bebê ainda não pode mastigar. Assim, a saliva contribui para a formação do bolo alimentar, que deve chegar ao estômago.

Até quando o bebê vai babar?

Não se sabe exatamente quando o bebê para de babar excessivamente. No entanto, esse comportamento se reduz significativamente após os 18 meses de vida.

Como geralmente acontece, não há uma resposta única para certas questões. Tudo vai depender de cada caso.

No entanto, é comum que, aos 12 meses, eles tenham desenvolvido um maior controle sobre isso e a saliva seja vista na boca com menos frequência.

Outro momento importante para a redução da baba é a partir dos 18 meses. Essa é a idade em que o processo de dentição costuma terminar. Isso faz com que uma quantidade muito menor de saliva seja produzida.

No entanto, isso não se aplica necessariamente a todos os casos. Cada bebê é diferente e é normal que um bebê babe até os 2 anos de idade ou até um pouco mais.

Leia também: Qual o material adequado para os estimuladores de gengiva?

Quando se preocupar?

Raramente as razões pelas quais os bebês babam têm a ver com problemas de saúde. Se a criança começa a comer mal e está babando, mesmo sem colocar as mãos na boca, é possível que algo esteja errado.

Isso poderia ser um sinal de que está com dor de garganta ou com feridas na boca, e é por isso que sente dor ao engolir sua própria saliva. Nesses casos, é bom olhar dentro da sua boquinha para ver se há algo anormal. Se a dificuldade em comer persistir e houver muita baba, é melhor levá-lo ao pediatra.

Se o bebê continuar babando após os três anos de idade, pode ser um sinal de que ele tem um problema com a deglutição. Também pode ser o sintoma de uma dificuldade psicológica que está prejudicando o seu desenvolvimento. Esses casos devem ser avaliados pelo pediatra.

Pode interessar a você…

Источник: https://melhorcomsaude.com.br/por-que-os-bebes-babam/

Baba, vômito ou regurgitação? Entenda o que há com seu bebê

Porque é que o meu recém-nascido baba muita saliva?

Diversos fatores contribuem para que os bebês babem, principalmente entre os três e 12 meses de vida. O médico José Gabel, membro do Departamento de Pediatria Ambulatorial da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria), afirma que babar é normal e, em geral, não representa problema de saúde.

Segundo o pediatra, a salivação excessiva é causada pelo próprio desenvolvimento neurológico e bucal da criança, que baba por ainda não ter coordenação para deglutir a quantidade de saliva produzida.

Chamado de sialorreia ou ptialismo, o aumento da quantidade de saliva também pode ser causado pela erupção dental. Gabel explica que, preparando-se para o nascimento dos dentes, a gengiva do bebê produz uma reação inflamatória, ficando inchada, o que predispõe a uma maior salivação.

Problemas como refluxo gastroesofágico (doença digestiva em que os ácidos estomacais voltam pelo esôfago), aftas, resfriados, caxumba, amidalites e outras infecções, e ingestão de alimentos ácidos também provocam aumento da saliva.

Em casos mais graves, distúrbios neurológicos, funcionais e anatômicos podem aumentar a propensão para babar, causando a alteração no controle dos músculos orofaciais.

Refluxo natural ou patológico?

Diferentemente da baba, em que a criança expele apenas saliva, na regurgitação ou golfada há a eliminação do conteúdo gástrico, mas sem esforço nenhum dos músculos e, principalmente, sem sintomas. “As golfadas são muito comuns para a grande maioria dos bebês nos primeiros quatro meses de vida e não alteram o crescimento nem o ganho de peso.»

Segundo o médico, não é necessário alterar a rotina da criança por conta da regurgitação nem dar de mamar novamente.

“O refluxo fisiológico deve ser tratado somente com medidas posturais e dietéticas, a fim de controlar a quantidade de vezes que a criança regurgita, evitando complicações.”

De acordo com Gabel, regurgitações frequentes podem levar a lesões erosivas dos dentes (desgaste do esmalte dentário pela diminuição do pH bucal). Em raros casos, podem provocar tosse ou náuseas e vômitos.

Como medidas preventivas, o especialista sugere fazer uma elevação da cabeceira da cama em um ângulo de 30º a 45º e colocar o bebê deitado do lado esquerdo.

Também contribuem para evitar a regurgitação o aleitamento materno exclusivo e o fracionamento das mamadas, que devem realizadas com a criança em posição semielevada.

Além disso, é importante fazer o bebê arrotar após mamar, evitar balançá-lo ou mesmo andar de carro.

De acordo com o pediatra, quando o refluxo esofágico é patológico, mesmo com fome, o bebê não consegue mamar. “Ele ganha pouco peso e tem dificuldade para dormir ou tem o sono interrompido por engasgos e dor.”

Nesse caso, durante a amamentação, a criança pode “brigar com o peito”, ou seja, mama apenas alguns minutos e depois se arqueia para trás e começa a chorar.

“Acontece também de o bebê querer mamar o tempo todo, porque o leite materno alivia o desconforto e a azia. Às vezes, a criança não elimina o leite que, no entanto, volta até uma parte do esôfago, causando dores e falta de apetite.”

Gabel explica que o diagnóstico de doença do refluxo gastroesofágico é complexo e não pode ser feito com apenas um exame. “Todos esses sintomas podem aparecer em conjunto ou isoladamente.”

Vômitos

Vômito, febre e dores são sinais de alerta

Imagem: Getty Images

Se na regurgitação a criança elimina o conteúdo gástrico com facilidade, no vômito, há esforço e desconforto. “Ele vem acompanhado de náuseas, sudorese, mal-estar e, em algumas vezes, de febre. Precisamos ficar atentos porque nem todo bebê que vomita tem refluxo, no entanto, muitos bebês com refluxo vomitam.”

Vômitos são eventuais e não devem acontecer frequentemente. “Casos recorrentes devem ser avaliados pelo pediatra para verificar a existência de doenças orgânicas e alterações anatômicas na criança.”

Após o vômito, o médico sugere aguardar 30 minutos e oferecer líquidos frios em pequenos volumes, aos poucos, à criança. “Depois disso, pode-se voltar à dieta habitual, oferecendo alimentos em pequenas quantidades.”

Os pais devem ficar atentos à existência de febre alta, manchas na pele, fortes dores abdominais, prostração, vômitos com sangue e sinais de desidratação, como língua e lábios secos, choro sem lágrimas, e ausência de urina por mais de seis horas. Na presença desses sintomas, é preciso procurar um pronto-socorro.
 

Источник: https://www.uol.com.br/universa/noticias/redacao/2016/01/21/baba-vomito-ou-regurgitacao-entenda-o-que-acontece-com-seu-bebe.htm

Sialorreia: como identificar o problema nos bebês

Porque é que o meu recém-nascido baba muita saliva?
Destaque – Sialorreia – Como identificar o problema nos bebês

A preocupação dos pais com os filhos é algo extremamente natural. Qualquer detalhe é percebido atentamente, principalmente quando se trata dos bebês, que não sabem se comunicar ainda. Uma condição muito comum entre os bebês é a salivação abundante, que, por vezes, também aflige os pais: esse é um sinal da sialorreia.

O bebê que “baba” demais pode estar sempre com a roupinha molhada. Essa situação que pode se tornar um pouco incômoda, já que são necessárias várias trocas de roupas ao dia. Saiba como identificar o problema e quando a condição se torna, de fato, uma doença.

Afinal, a sialorreia é grave?

Geralmente, o fato de as crianças salivarem constantemente não é um problema. Essa fase é passageira.

Como as crianças nesta idade não têm total controle dos músculos responsáveis pelo movimento de deglutição, a hipersalivação ou sialorreia é normal.

É um quadro que tende a acontecer por volta dos três meses de idade – já que, até os dois, as glândulas salivares dos bebês não estão desenvolvidas.

O desenvolvimento neurológico também é um fator que contribui para o aumento considerável da produção de saliva. Porém, esse excesso de “baba” é natural até certa idade, que é em torno dos 18 meses a dois anos. Até lá, os bebês já têm o sistema neuromuscular e orofuncional apurados e conseguem engolir a saliva produzida.

Outras causas e tratamento

Há também os casos em que a hipersalivação pode ser causada por outros fatores. Aftas na mucosa bucal dos bebês, resfriados, o nascimento de dentes de leite, problemas respiratórios, refluxo e alergias nasais são alguns deles. Vale ressaltar que a relação do excesso de saliva com o nascimento dos dentes do bebê existe.

No entanto, deve ser associada a outros sinais, como gengiva avermelhada e inchada e irritação incomum do bebê. Neste outro post, você pode saber mais sobre  como aliviar o desconforto do bebê quando os dentes nascem.

Em situações mais graves, quando a sialorreia é crônica, se prolongando após os quatro anos de idade, é importante uma avaliação médica detalhada. Problemas neurológicos que levam a alterações funcionais da deglutição podem estar relacionadas.

É fundamental que o pediatra da criança seja informado a respeito de qualquer anormalidade.

As consultas periódicas com o odontopediatra também são muito importantes, pois ele poderá identificar qualquer disfunção na cavidade oral que possa ser a causa da salivação excessiva.

Visitar o otorrinolaringologista também pode ser uma recomendação, em alguns casos. Este especialista será capaz de diagnosticar outros fatores, relacionados a distúrbios respiratórios.

Se algum quadro patológico for detectado, os tratamentos variam, de acordo com a origem do problema. Podem incluir a prescrição de medicamentos para reduzir o fluxo salivar, injeção de toxina botulínica do tipo A, terapias com fonoaudiólogos, para estimular os movimentos dos músculos da boca e da face, entre outros. Entretanto, na maioria dos casos, não há a necessidade de tratamento.

Estimule o desenvolvimento do bebê

É importante que os pais tenham consciência de que, raramente, a fase da “baba” se estende e traz complicações. E há atividades que podem ser feitas até mesmo em casa, capazes de ajudar a evitar a sialorreia e estimular os músculos faciais do bebê.

Oferecer uma alimentação mais sólida, incentivando a mastigação, e com alimentos de menor acidez; colocar o bebê em posições que proporcionem uma postura adequada e favoreçam o controle do tronco e da cabeça e fazer exercícios que auxiliem o bebê a manter os lábios fechados. 

Para higienização oral diária do bebê sem dentes ou em regiões gengivais com ausências dentárias, utilize a escova massageadora dental BabyCare, da Dentalclean.

Clique aqui para saber onde encontrá-la em sua região! Já para a higiene dos dentinhos que começam a aparecer na cavidade oral geralmente por volta dos 6 meses, estimular a escovação com a linha infantil, da Dentalclean, também é recomendada.

A escovação, nestes casos, além de ser necessária e recomendada para prevenção de doenças bucais, ainda age como um estímulo de manipulação oral para a criança, o que pode também influenciar no controle de saliva, bem como servir como incentivo para os atos de cuspir e engolir.

Assim seu filho se desenvolverá muito mais rapidamente em diversos aspectos. 

Lembre-se: a criança que “baba” muito, está constantemente perdendo água para o meio. Isso deve ser observado de maneira criteriosa, para que não se desenvolva um quadro de desidratação em situações mais graves.

Também é a partir da mesma fase que surgem os primeiros dentinhos – aproximadamente no sexto mês de vida – que a criança precisa começar a beber água. Antes disso, a quantidade de água necessária estará presente no leite materno.

Fique atento!

E como está aí na sua casa? O seu pequeno ainda está na fase “babão”? Compartilhe conosco sua experiência nos comentários.

Leia mais: Bebês podem ter cárie? 

Acesse o site e conheça toda a linha Infantil: Baby Care, O show da Luna, Doutor Duck

Para adquirir nossos produtos no local mais próximo, basta clicar neste link: Dentalclean.pertinhodemim.com

bebê escova dental babycare por que os bebês babam

Источник: https://blog.dentalclean.com.br/prevencao/sialorreia-como-identificar-o-problema-nos-bebes/

Embarazo saludable
Deja una respuesta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: